domingo, 26 de julho de 2015

Resenha: The Opposite of loneliness

Sinopse: Uma coleção póstuma cheia de esperança da talentosa jovem formada em Yale cujo título de abertura capturou a atenção do mundo em 2012 e a transformou em um ícone para sua geração. 

(Sinopse traduzida por mim)

 Bom gente, este foi um dos livros que comprei na viagem á Londres, a capa me chamou muito a atenção, justamente pela foto da garota, a Marina Keegan. 

 The Opposite of loneliness (O oposto da solidão) é uma coletânea de contos e histórias escritos pela Marina, que morreu em um acidente de carro, cinco dias após se formar em Yale.


 Como o livro é composto de várias histórias, falarei sobre a que mais gostei, ironicamente, The Opposite of Loneliness. Este pelo que entendi, foi escrito logo depois de ter se formado em Yale.
 "We don't have a word for the opposite of loneliness, but if we did, I could say that's what I want in life."
 Sim achei necessário destacar esse trecho em especial, traduzindo seria "Nós não temos uma palavra para o oposto da solidão, mas se tivéssemos, eu poderia dizer que é o que quero na vida" 

  
 Marina conta que o que mais a assusta depois de terminar a faculdade, não é achar a cidade certa para morar, ou o emprego certo. Mas sim não fazer parte desses "grupinhos" que nos fazem sentir parte de alguma coisa, até mesmo em nossas noites mais solitárias quando estamos sozinhos em casa, mexendo no computador.

 Marina escreve de maneira tão clara, que é impossível não se envolver com a leitura. Descreve momentos que com certeza já passamos em algum momento de nossa vida, e coisas que já passaram por nossa cabeça, usando palavras tão belas que a leitura flui como um poema.

"We have these impossibly high standards and we'll probably never live up to our perfect fantasies of our future selves."
 Tradução: Temos essas impossíveis altos padrões, e nós provavelmente nunca viveremos de acordo com nossas fantasias perfeitas de nossos eus futuros. 




 "Você quer partir em breve? 

 Não,  eu quero tempo suficiente para estar apaixonada por tudo…
 E chorar porque tudo é tão bonito e tão curto."

- Marina Keegan, do poema "Bygones"


XOXO - Carol