sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Resenha: A verdade sobre o caso de Harry Quebert by Jöel Dicker

Sinopse: Aos vinte e oito anos Marcus Goldman viu sua vida se transformar radicalmente. Seu primeiro livro tornou-se um best-seller, ele virou uma celebridade e assinou um contrato milionário para um novo romance. E então foi acometido pela doença dos escritores. A poucos meses do prazo para a entrega do novo original, pressionado por seu editora e por seu agente, Marcus não consegue escrever nem uma linha.

Na tentativa de superar seu bloqueio criativo, Marcus decide passar uns dias com seu mentor, Harry Quebert, um dos escritores mais respeitados do país. É então que tudo muda. O corpo de uma jovem de quinze anos - desaparecida sem deixar rastros em 1975 - é encontrado enterrado no jardim de Harry, junto com o original do romance que o consagrou. Harry admite ter tido um caso com a garota e ter escrito o livro para ela, mas alega inocência no caso do assassinato.
Com o intuito de ajudar Harry, Marcus começa uma investigação por contra própria. Uma teia de segredos emerge, mas a verdade só virá à tona depois de uma longa e complexa jornada.



 Eu soube do livro quando estava dando uma "passadinha" na Saraiva, e infelizmente não tinha dinheiro para nenhum livro. Mas olhar não mata né?! Passei pelas prateleiras e logo vi - foi uma daquelas cenas em que só falta um coro de anjos e holofotes - como já sabem eu julgo um livro pela capa SIM! Então vi a sinopse e me apaixonei, logo sem ler o livro ja queria descobrir o que aconteceria com a jovem que foi achada no jardim do aclamado escritor Harry Quebert.

 Estou tentando não dar nenhum spoiler, e mesmo que vocês não vejam, já apaguei muitas e muitas vezes tentando me expressar melhor SEM SPOILERS - olha, não sei você leitor, mas eu ODEIO com todas as minhas forças spoilers - Enfim, o livro começa quando Marcus, um famoso escritor liga para o seu amigo e professor, Harry Quebert, quando sofre de um bloqueio criativo, que o convida para passar um tempo com ele.

 Tudo estava bem, até que lembranças do passado de toda aquela pequena cidade, voltam a "assombrar" Harry. O corpo da jovem Nola Kellergan, desaparecida no verão de 1975 sem deixar rastros, é encontrado no jardim de Harry, junto com o manuscrito de seu livro e um bilhete. As provas indicam que Harry era o culpado pelo desaparecimento da jovem.



 Marcus entra para investigar o caso, acreditando que Harry não era o culpado e que essa história estava realmente mal contada. O protagonista mergulha em um passado que muitos gostariam que nunca tivesse existido.

 Será que Nola era realmente a garota doce e gentil, que sempre estava sorrindo que todos conheciam? Qual era o seu envolvimento com os outros suspeitos do caso? O que significava o bilhete? Quem o teria escrito? Entre essa e muitas outras perguntas Marcus tenta encontrar respostas ao decorrer da história.





ATENÇÃO!! SUJEITO A CONTER ALGUNS SPOILERS! 
Classificação de spoiler: Nível baixo.

 Para mim, a maior parte do livro foi um pouco confusa, pela parte de achar os suspeitos, o que acorre com mais clareza pouco depois da metade do livro. Em grande parte narra a história de amor entre Harry e Nola, o fato de não que puderam ficar juntos. Ao decorrer do livro o autor revela mais sobre a personalidade da verdadeira Nola Kellergan, que me surpreendeu bastante, pois de início, no ponto de vista de Harry e de qualquer outro que a conhecia, Nola era uma garota sensível, sempre sorridente, sem qualquer sinal de insanidade.

 A maneira que o autor desenvolve o livro é realmente muito boa, por ser um Thriller policial, em alguns casos acabamos nos perdendo em meio ás pistas e ficamos um tempo sem entender, tendo que prestar MUITA ATENÇÃO em cada palavra do livro, o que o torna um pouco cansativo. Ao contrário disso, o livro foi ótimo, a minha melhor leitura deste mês - a minha primeira leitura desse mês - mesmo intercalando as épocas, o que em alguns casos me incomoda um pouco, foi coerente ao livro, para não perdermos detalhes importantes que ia contribuir para a descoberta do verdadeiro assassino no final.

 Achei o livro ótimo, na verdade me senti uma "Sherlock Holmes", e se tivesse uma classificação eu daria 5*****.

              XOXO -Carol

O último livro que iria resenhar "Uma constelação de fenômenos vitais", é... não sei dizer exatamente mas eu não gostei, não consegui terminar e não é o meu tipo de livro. Parabéns pra você que conseguiu terminar um livro tão entediante como esse, mas eu realmente não curti.